Home Policial Grupo de matadores suspeito do assassinato de Marielle é alvo de operação da Polícia Civil e do MP

Grupo de matadores suspeito do assassinato de Marielle é alvo de operação da Polícia Civil e do MP

por admin

A Polícia Civil e o Ministério Público do Rio (MPRJ) deflagraram, na manhã desta terça-feira, uma operação contra o principal grupo de matadores de aluguel do Rio: o Escritório do Crime. Agentes cumprem seis mandados de prisão contra os chefes do bando, além de 31 de busca e apreensão em vários pontos da cidade. Alguns locais são residências de três ex-PMs e de um policial da reserva. O principal alvo é Leonardo Gouvea da Silva, o Mad, substituto do ex-capitão do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), Adriano Magalhães da Nóbrega, à frente da organização criminosa.

Mad foi preso em sua casa, de dois andares, na Vila Valqueire, na Zona Norte do Rio. A prisão dele foi anunciada pelo titular da Delegacia de Homicídios da Capital (DHC), Daniel Rosa, que leu os direitos do preso. Ele estava dormindo no andar superior com a mulher. Ao ser abordado, Mad perguntou se havia um mandado de busca e apreensão.

– Tudo aqui é dentro da lei – disse Rosa, mostrando os mandados de busca e apreensão e de prisão contra Mad.

O preso foi logo se justificando, sem que fosse perguntado:

– Não tenho nada com a morte da Marielle – respondeu para o delegado e para a coordenadora do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), Simone Sibilio.

Simone foi a responsável por coordenar as buscas na casa de Mad, que fica num condomínio de classe média, com piscina e churrasqueira. Ela revistou o armário dele. O carro de Mad, uma Pajeto, também foi alvo de buscas.

De acordo com as investigações, Mad e seu grupo são acusados do assassinato do empresário Marcelo Diotti da Mata, no estacionamento do restaurante Outback, na Avenida das Américas, Barra da Tijuca, no dia 14 de março de 2018. Diotti foi alvejado ao lado de seu carro, um Mercedes SUV branco. No local, foram encontradas cerca de 20 cápsulas de calibres 7.62 e 5.56. A data do homicídio de Diotti coincide com a dos assassinatos da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, no Estácio, na Zona Norte do Rio. Os dois crimes ocorreram à noite.

Postagens Relacionadas

Faça um comentário