Home Sem Censura Juiz da 1ª Vara Mista de Piancó desenvolve ferramenta robotizada para autoatendimento

Juiz da 1ª Vara Mista de Piancó desenvolve ferramenta robotizada para autoatendimento

por admin

Criatividade aliada à tecnologia para facilitar a vida dos jurisdicionados. Foi com esta premissa que o titular da 1ª Vara Mista da Comarca de Piancó, juiz Pedro Davi Alves de Vasconcelos, desenvolveu uma espécie de central de relacionamento digital. O que isso significa? Na prática, trata-se de uma ferramenta robotizada para autoatendimento, ou seja, quando se entra em contato com a unidade judiciária, o jurisdicionado é imediatamente redirecionado para uma conversa no bate-papo do WhatsApp.

O juiz Pedro Davi explicou como surgiu esta ideia. “Magistrado e servidores, muitas vezes por meio de seus telefones pessoais, são demandados para realizar atendimentos ao mesmo tempo. Com o atendimento remoto e virtual, decorrente do contexto da pandemia do coronavírus (Covid-19), tivemos a ideia de criar uma central de relacionamento eletrônico, cujo atendimento é realizado de maneira virtual, automatizada, por chatboots programados para responder o usuário, filtrando e realizando a triagem das solicitações. A ideia é concentrar tudo em um só canal para termos mais controle, racionalidade, rapidez e transparência nos atendimentos e, por consequência, na prestação jurisdicional”, enfatizou.

De acordo com o magistrado, a ferramenta foi construída durante aproximadamente dois meses. Os atendimentos tiveram início na semana passada. “São realizados os mais diversos atendimentos, a exemplo de agendamento de videoconferência com o magistrado, nos termos regulamentados pelo Tribunal, atendimento pelo Cartório, pagamento de custas, parcelamento de dívidas, etc. As chamadas por videoconferência, por exemplo, são mais práticas, transparentes e o tempo de resposta é muito mais rápido”, argumentou.

O juiz Pedro Davi informou, ainda, que o serviço está disponível para qualquer pessoa. “A expectativa é de racionalizar o atendimento, com mais controle, transparência e rapidez. Toda solicitação é registrada em um sistema de controle interno, em que há um acompanhamento, de maneira que só é arquivada quando finalizada. Temos até uma estatística dos atendimentos realizados, o que nos proporciona um diagnóstico capaz de corrigir eventuais erros estruturais”, explanou.

Tecnologia – O magistrado é grande entusiasta do uso da tecnologia para facilitar o acesso à Justiça, especialmente neste período de isolamento social e consequente trabalho remoto. Uma das iniciativas que o juiz Pedro Davi fez parte recentemente foi o que tornou as audiências 100% digitais em algumas comarcas do Poder Judiciário estadual. 

“Penso que a tecnologia não conseguirá substitui o ser humano. Ela consiste numa valiosa ferramenta que nos ajuda a transcender nossos limites, com mais objetividade, racionalidade e eficiência. Viabiliza a superação de obstáculos. O exemplo é o processo eletrônico. Se o Judiciário não tivesse envidado esforços para virtualizar o acervo, hoje, num contexto de pandemia, com certeza não seria possível falar que a ‘Justiça não para’. Ela teria parado. Precisamos, então, utilizá-la para nos auxiliar, para facilitar nosso trabalho”, concluiu.

Postagens Relacionadas

Faça um comentário